ARUCI-SMC
Você está aqui: Inicio > Projetos > As práticas cidadãs - Eixo 3 > O resgate da cidadania pela intersetorialidade e pela participação popular

O resgate da cidadania pela intersetorialidade e pela participação popular

Time da Pesquisa:

· Carolina Sombini – Apoiadora do Distrito de Saúde Sudoeste (Prefeitura Municipal de Campinas)

· Devanir Bissoli – Membro da Comunidade (Presidente da Associação do Bairro Parque D. Pedro II e membro do Conselho Local de Saúde)

· Karine Cambuy – Coordenadora do Centro de Convivência Tear das Artes (Prefeitura Municipal de Campinas)

Pesquisadores principais:

·Ana Carolina Diniz Rosa – Terapeuta Ocupacional do Centro de Saúde DIC-I (Prefeitura Municipal de Campinas)

·Marília Sper de Albuquerque – Psicóloga do Centro de Saúde DIC-I (Prefeitura Municipal de Campinas)

Colaboradores e parceiros:

·Dora Lúcia M. Vechini – Chefe do Setor das Casas de Cultura da Secretaria de Cultura (Prefeitura Municipal de Campinas)

·Kleber Rodolfo Albino Ferreira - Coordenador da Atenção Esportiva ao Idoso (Prefeitura Municipal de Campinas)

·Rosana S. Araújo - Assistente Social do CRAS Profilurb (Prefeitura Municipal de Campinas)

 

Resumo: Este projeto refere-se à reativação de um espaço público, denominado Casa de Cultura Andorinhas, a partir da intersetorialidade entre a comunidade e serviços da Saúde, Educação, Assistência Social, Cultura, Esporte e Departamento de Parques e Jardins.  Esta Casa localiza-se na região sudoeste da cidade de Campinas, região periférica que se caracteriza por uma área de alto risco e vulnerabilidade social, no espaço geográfico do “Bosque do DIC-I” (área de abrangência do Centro de Saúde DIC-I). Este projeto justifica-se pela potência de resgatar na comunidade o protagonismo, a responsabilidade social e política, na construção de espaços de convivência e de lazer que façam frente aos riscos sociais, à falta de oportunidades, à violência, à anomia e às formas de sofrimento às quais as populações estão submetidas. A proposta da Casa de Cultura é de favorecer espaços de encontro e convivência entre as pessoas em torno de atividades e práticas que promovam cultura, educação, saúde e lazer, garantindo a singularidade de cada um, o desenvolvimento de potencialidades e principalmente a participação popular e cidadania. Compreendemos que a atuação profissional não pode ficar obcecada nos modelos da clínica tradicional, é preciso transgredir os muros institucionais e avançar outros campos. Nesses entrelaçamentos, talvez possamos despojar das roupagens cotidianas e das máscaras sociais que nos rodeiam e nos colocam, por diversas vezes, como meros espectadores do sofrimento do outro e provocar em nós a experiência corajosa da aproximação daquilo que é inusitado.

Objetivo:

Estimular a responsabilização da comunidade, a partir da co-gestão com equipamentos intersetoriais, promovendo a aproximação da comunidade local com a cultura produzida pela humanidade, bem como a convivência social, através de oficinas, atividades (pedagógicas, de promoção à saúde, esportivas, culturais e assistenciais) e construção de projetos coletivos.

Contribuições e prestações:

Pode-se perceber, após 8 meses de início das oficinas da Casa de Cultura Andorinhas, uma mudança na postura da comunidade frente ao espaço do Bosquinho do DIC-I (onde está localizada a Casa de Cultura), um espaço que se encontrava abandonado, visto que as pessoas tinham receio de frequentar por conta de situações de criminalidade, pouco fluxo de pessoas e presença de grupos fazendo uso de substâncias psicoativas. Após a reativação da Casa de Cultura, percebe-se um maior fluxo de movimento no local, tanto para participação nas oficinas, quanto para lazer no Bosquinho do DIC-I. Por sua vez, os usuários que freqüentam as oficinas relatam melhora dos aspectos emocionais e físicos, como dor  na coluna, diminuição na amplitude de movimento, tristeza, agressividade, ansiedade, possibilitando maior desenvolvimento da aprendizagem,  socialização, expressão corporal, autoestima e  protagonismo.

Ferramentas e treinamento:

Fotos e vídeos de realização das oficinas e das ações de organização da Casa de Cultura, contando com depoimentos dos usuários, coordenadores das oficinas e membros do Colegiado Gestor.

Bibliografia:

AMARANTE, P. Loucos pela diversidade: da diversidade da loucura à identidade cultural. Relatório Final. Rio de Janeiro: s/n, 2008.

BRASIL. Lei Federal nº. 8080/1990.

CANGUILHEM, C. O Normal e o Patológico. Rio de Janeiro: Editora Forense Universitária, 1995.

CARVALHO, A.I. Programa da Oficina Nacional de Indicação de Políticas Públicas Culturais para Pessoas em Sofrimento mental e em Situações de Risco Social (Mesa de Abertura) In : AMARANTE, P. Loucos pela diversidade: da diversidade da loucura à identidade cultural. Relatório Final. Rio de Janeiro, 2008. p.20-22.

CASTEL, R. As metamorfoses da questão social. Petrópolis: Vozes, 1999.

GOFFMAN, E. Manicômios, Prisões e Conventos. São Paulo: Perspectiva, 1974.

MAMBERTI, S. Programa da Oficina Nacional de Indicação de Políticas Públicas Culturais para Pessoas em Sofrimento mental e em Situações de Risco Social (Mesa de Abertura) In : AMARANTE, P. Loucos pela diversidade: da diversidade da loucura à identidade cultural. Relatório Final. Rio de Janeiro, 2008. p 24-25

MANGIA, E. F., MURAMOTO, M. T. O estudo de redes sociais: apontamentos teóricos e contribuições para o campo de saúde. Rev. Terapia Ocupacional Universidade de São Paulo, v. 16, nº22-30, jan/abr 2005.

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS. COVISA. Índice de Condição de Vida. 2001. Disponível em: http://2009.campinas.sp.gov.br/saude/. Acesso em: 26/06/2010.

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS. Informação de Base Populacional de Campinas. In: Sistema de Informação TabNet.  2000-2007. Disponível em: http://tabnet.saude.campinas.sp.gov.br. Acesso em: 26/06/2010.

DI RENZO, R. Identidade e Produção de Sentidos: estratégias de solidariedade e reciprocidade (Mesa de Debates) In : AMARANTE, P. Loucos pela diversidade: da diversidade da loucura à identidade cultural. Relatório Final. Rio de Janeiro, 2008, p. 56-62.

SANTOS, JL. O que é cultura. Coleção Primeiros Passos, 110. São Paulo Editora Brasiliense, 2008.

SARACENO, B. A Concepção de Reabilitação Psicossocial como referencial para as intervenções terapêuticas em saúde mental. Rev. Ter. Ocup. Univ. São Paulo, v.9, n.1, p.26-31, 1998.

TAKATORI, M. A terapia ocupacional no processo de reabilitação: construção do cotidiano. O mundo da Saúde, ano 25, v. 25, n. 4, p. 371-377, out. / dez. 2001. Disponível em: www.casadato.com.br/Noticia. Acesso em: 22 jun. 2007.

 

Todos os direitos reservados © 2011, Saúde Mental e Cidadania